spacer
 
Advanced Search
Astrobiology Magazine Facebook  Astrobiology Magazine Twitter
  
Retrospections Portuguese Translations Um Planeta Feito de Diamante
 
Um Planeta Feito de Diamante
publicação da imprensa do CSIRO (Organização Científica e de Pesquisa Industrial do Mercado Comum, Austrália).
print PDF
New Planets
Posted:   08/26/11
Author:    Tradutor: Bruno Martini

Summary: Astrônomos acreditam que encontraram uma antiga estrela massiva que se transformou em um pequeno planeta feito de diamantes na nossa Via Láctea. A descoberta lança nova luz sobre a diversidade dos planetas e como eles podem se formar.


Uma visualização artística de um pulsar com seu planeta em órbita.
Crédito da imagem: Swinburne Astronomy Productions.
O que já foi uma estrela massiva foi transformado em um pequeno planeta feito de diamante: isto é o que astrônomos pensam que encontraram na nossa Via Láctea.

A descoberta foi feita por uma equipe de pesquisa internacional liderada pelo Professor Matthew Bailes da Swinburne University of Technology (Universidade de Tecnologia Swinburne) em Melbourne, Austrália, e foi publicada pela revista Science.

Apesar de bizarro, o “planeta diamântico” está de acordo com o nosso quadro atual de como se formam determinados sistemas binários de estrelas.

Os pesquisadores da Austrália, Alemanha, Itália, Reino Unido e EUA primeiro detectaram uma estrela anormal chamada pulsar usando o radiotelescópio Parkes de 64 m do The Commonwealth Scientific & Industrial Research Organization – CSIRO (Organização Científica e de Pesquisa Industrial do Mercado Comum, Austrália), seguida pelas confirmações com o radiotelescópio Lovell do Reino Unido e um dos telescópios Keck no Havaí.

Pulsares são pequenas estrelas giratórias com aproximadamente 20 km de diâmetro – o tamanho de uma cidade pequena – que emitem feixes de ondas de rádio. Como a estrela gira o feixe de rádio e varre várias vezes a Terra, os radiotelescópios detectam um padrão regular de pulsos de rádio.

Para o recém descoberto pulsar, conhecido como PSR J1719-1438, os astrônomos notaram que os tempos de chegada dos pulsos foram sistematicamente modulados. Eles concluíram que isto era devido à atração gravitacional de um planeta pequeno companheiro, que orbita o pulsar em um sistema binário.

O pulsar e seu planeta são parte do plano de estrelas da Via Láctea e fica à 4.000 anos-luz na constelação de Serpens (Serpente). O sistema está a aproximadamente um oitavo do caminho em direção ao centro da galáxia a partir da Terra.

O Radiotelescópio Parkes in Nova Gales do Sul, Austrália.
As modulações nos pulsos de rádio dizem aos astrônomos muitas coisas sobre o planeta.

Primeiro, ele orbita o pulsar em apenas duas horas e dez minutos e a distância entre os dois objetos é de 600.000 km – um pouco menor que o raio do nosso Sol.

Segundo, o companheiro tem de ser pequeno, menos de 60.000 km (isto é cinco vezes o diâmetro da Terra). O planeta está tão próximo do pulsar, que se fosse maior que isto poderia ser partido em pedaços pela gravidade do pulsar.

Mas apesar de seu pequeno tamanho, o planeta possui massa ligeiramente maior que Júpiter.

“Esta alta densidade do planeta dá uma pista sobre sua origem”, disse o Professor Bailes.

Uma estrela é rasgada

A equipe imagina que o “planeta diamântico” é tudo que resta do que foi uma estrela massiva, cuja maior parte da matéria foi sugada pelo pulsar.

O Telescópio Lovell de 76 m em Jodrell Bank.
Crédito: A. Holloway, University of Manchester (Universidade de Manchester).
O Pulsar J1719-1438 é do tipo de rotação muito veloz, o que é chamado de pulsar de milissegundo.

Incrivelmente ele gira mais de 10.000 vezes por minuto e possui uma massa de aproximadamente 1,4 vezes a do nosso Sol, mas apenas 20 km de diâmetro. Aproximadamente 70 por cento dos pulsares de milissegundo possuem companheiros de algum tipo. Astrônomos acreditam que é esta companhia que, em sua formação estelar, transforma um pulsar antigo e morto em um pulsar de milissegundo transferindo matéria e acelerando seu giro para uma velocidade altíssima. O resultado é um pulsar de milissegundo de rápida rotação com uma companhia contraída – normalmente a chamada anã branca.

“Nós sabemos de uns poucos outros sistemas, chamados binários de raio-X ultra-compactos de pequena massa, que são susceptíveis de estarem evoluindo de acordo com o cenário acima e podem provavelmente representar os progenitores de um pulsar como o J1719-1438”, disse a Dra. Andrea Posssenti, membro da equipe e diretora do Observatorio Astronomico di Cagliari (Observatório Astronômico de Cagliari) do Instituto Nazionale di Astrofisica - INAF (Instituto Nacional de Astrofísica) na Itália.

Mas o pulsar J1719-1438 e seu companheiro estão tão próximos um do outro que seu companheiro só pode ser uma anã branca que foi despojada de suas camadas exteriores e mais de 99,9 por cento de sua massa original.

“O que sobrou é provável que seja em grande parte carbono e oxigênio, porque uma estrela feita de elementos mais leves como hidrogênio e hélio teria de ser muito grande para caber na órbita medida”, afirmou o Dr. Michael Keith (CSIRO), um dos membros da equipe de pesquisa.

A densidade significa que este material é certamente cristalino, isto é, uma grande parte da estrela deve ser semelhante a um diamante.

“O destino final deste sistema binário é determinado pela massa e período orbital da estrela doadora no momento da transferência de massa. A raridade de pulsares de milissegundo acompanhados por planetas massivos significa que produzir tais planetas exóticos é a exceção e não a regra, e requer circunstâncias especiais”, comentou o Dr. Benjamin Stappers da University of Manchester (Universidade de Manchester).

A equipe também acompanhou a descoberta usando um dos telescópios Keck no cume do Mauna Kea no Havaí.
Crédito: W. M. Keck Observatory (Observatório W. M. Keck).
A equipe encontrou o pulsar J1719-1438 em meio a cerca de 200.000 gigabytes de dados usando códigos especiais em supercomputadores na Universidade de Tecnologia de Swinburne na Austrália, Universidade de Manchester no Reino Unido e no INAF-Observatório Astronômico de Cagliari na Itália.

A descoberta foi feita durante uma busca sistemática por pulsares sobre todo o céu que também envolveu o radiotelescópio Effelsberg do Max-Planck-Institute for Radio Astronomy (Instituto Max-Planck para Radioastronomia) – MPIfR na Alemanha. “Este é o maior e mais sensível levantamento deste tipo jamais conduzido. Nós esperávamos encontrar coisas empolgantes e é incrível ver isto acontecendo. Há mais por vir!”, afirmou o Professor Michael Kramer, diretor do MPIfR.

O Professor Matthew Biles lidera o tema “Universo Dinâmico” em uma nova e ampla iniciativa de astronomia na Austrália, o Centre of Excellence For All-sky Astrophysics – CAASTRO (Centro de Excelência para a Astrofísica de Todo o Céu).

A descoberta do novo sistema binário é de especial significância para ele e seu colega membro de equipe, o Professor Andrew Lyne, que conjuntamente iniciaram todo o campo de pesquisa pulsar-planeta em 1991, com o que se provou ser uma reivindicação equivocada sobre o primeiro planeta extrassolar. Durante o ano seguinte, o primeiro sistema planetário extrassolar foi descoberto ao redor do pulsar PSR B1257+12.

This story was originally published in English.


Related Stories

Astrobiology Roadmap Goal 1: Habitable planets

An Alien World Blacker than Coal
Keeping an Eye on the Super Earth Next Door
An Earth as Dense as Lead
About Us
Contact Us
Links
Sitemap
Podcast Rss Feed
Daily News Story RSS Feed
Latest News Story RSS Feed
Learn more about RSS
Chief Editor & Executive Producer: Helen Matsos
Copyright © 2014, Astrobio.net