spacer
 
Advanced Search
Astrobiology Magazine Facebook  Astrobiology Magazine Twitter
  
Retrospections Um Catálogo de Exoplanetas Habitáveis
 
Um Catálogo de Exoplanetas Habitáveis
Fonte: Laboratório de Habitabilidade Planetária
print PDF
New Planets
Posted:   12/05/11
Author:    Tradutor: Bruno Martini

Summary: O Laboratório de Habitabilidade Planetária criou o Catálogo de Exoplanetas Habitáveis, que avalia a habitabilidade de exoplanetas com base no tamanho e órbita corretos para serem considerados adequados à vida.

O Catálogo de Exoplanetas Habitáveis, um novo banco de dados online de mundos habitáveis.

Há muitos modelos prevendo os potenciais tamanhos e locações dos planetas semelhantes à Terra, mas porque eles são tão pequenos, eles são difíceis de se encontrar. Mais de 700 exoplanetas foram detectados, mas a maioria é de gigantes gasosos. Um novo catálogo está ajudando cientistas a entender quais destes 700 planetas poderiam ser adequados à vida como a conhecemos. Na figura, acima estão os planetas com massa até 1 X maior que a Terra e abaixo até 5 X a massa da Terra. A escala mostrada é de 10 mil milhas ~ 16.100 km, o planeta e a estrela indicados são de tamanho análogos à Terra e ao Sol, respectivamente. Da esquerda para a direita os planetas são classificados constituídos por puro ferro, silicato, carbono, pura água, puro monóxido de carbono e puro hidrogênio. Crédito da imagem: Marc Kuchner/NASA GSFC
O banco de dados sugere mais de 15 exoplanetas e 30 exoluas como potenciais candidatos a habitáveis.

Os cientistas estão agora começando a identificar exoplanetas potencialmente habitáveis após quase vinte anos da detecção dos primeiros planetas ao redor de estrelas. Acima de 700 exoplanetas foram detectados e confirmados, com mais milhares ainda esperando posterior confirmação por missões como a Kepler da NASA.

A maioria deles são gigantes gasosos, similares a Júpiter e Netuno, mas orbitando muito perigosamente próximo às suas estrelas. Apenas alguns têm o tamanho e órbita certos para serem considerados apropriados a alguma vida.

Agora o Planetary Habitability Laboratory – PHL (Laboratório de Habitabilidade Planetária) da University of Puerto Rico (Universidade de Porto Rico) em Arecibo (UPR Arecibo) apresenta uma nova avaliação da habitabilidade destes mundos como parte do seu Habitable Exoplanets Catalog – HEC (Catálogo de Exoplanetas Habitáveis). O catálogo não apenas identifica novos exoplanetas potencialmente habitáveis, incluindo exoluas como o mundo de Pandora no filme Avatar, mas também os ordena de acordo com vários índices de habitabilidade.

“Um importante resultado destas ordenações é a habilidade de comparar exoplanetas de piores a melhores candidatos à vida”, diz Abel Méndez, diretor do PHL e principal investigador do projeto.

O catálogo usa novas avaliações de habitabilidade como o Earth Similarity Index – ESI (Índice de Similaridade com a Terra), o Habitable Zones Distance – HZD (Distância das Zonas de Habitabilidade), o Global Primary Habitability – GPH (Habitabilidade Primária Global), sistemas de classificação e comparações com a Terra no presente e em seu passado. Ele também utiliza dados de outros bancos de dados como a Extrasolar Planets Encyclopaedia (Enciclopédia de Planetas Extrassolares), o Exoplanet Data Explorer (Explorador de Dados de Exoplanetas), a missão Kepler da NASA e outras fontes.

De acordo com Méndez, “Novas observações com observatórios orbitais e em solo irão descobrir milhares de exoplanetas nos próximos anos. Nós esperamos que as análises contidas em nosso catálogo irão ajudar a identificar, organizar e comparar o potencial para vida destas descobertas.”

Muitas questões foram levantadas sobre a habitabilidade de luas no nosso Sistema Solar, como a lua de Júpiter Europa (acima). O novo banco de dados atualmente inclui mais de 15 exoplanetas e 30 exoluas como potenciais candidatos a habitáveis. Crédito da imagem: NASA
O catálogo lista e categoriza descobertas de exoplanetas usando vários sistemas de classificação, incluindo tabelas com as propriedades de planetas e estrelas. Uma das classificações divide-os em dezoito categorias de massa e temperatura, criando uma tabela similar à tabela periódica para exoplanetas. Recursos adicionais do catálogo irão incluir visualizações científicas de mapas estelares dos exoplanetas. Vários estudantes de graduação participaram no projeto.

Apenas dois exoplanetas confirmados até agora correspondem aos critérios de habitabilidade do catálogo, Gliese 581d e HD 85512b, ambos ainda considerados ligeiramente parecidos com a Terra. No entanto, o catálogo identifica 15 exoplanetas e 30 exoluas como potenciais candidatos a habitáveis. Futuras observações com novos instrumentos, como o proposto NASA Terrestrial Planet Finder (Localizador de Planetas Telúricos da NASA), serão necessárias para confirmar a adequabilidade para a vida em algum destes candidatos.

“Eu espero que este banco de dados ajude a aumentar o interesse em construir um grande telescópio espacial para observar exoplanetas diretamente e procurar por possíveis assinaturas de vida”, diz Jim Kasting, um especialista na ciência de habitabilidade planetária da universidade Penn State.

O catálogo está disponível online agora na página virtual do PHL . Um pôster será apresentado na First Kepler Science Conference (Primeira Conferência Científica do Kepler) de 5 a 9 de dezembro de 2011 na NASA Ames, em Moffet Field, Califórnia.

O PHL é um laboratório virtual de pesquisa e ensino dedicado a estudos sobre a habitabilidade da Terra, do Sistema Solar e exoplanetas. O PHL é administrado pela UPR Arecibo com a colaboração internacional de cientistas de várias instituições, incluindo a NASA e o SETI.

O Catálogo de Exoplanetas Habitáveis (HEC): Tabela Periódica de Exoplanetas:

Phlegra Montes
Esta “tabela periódica” de exoplanetas, incluindo candidatos da missão NASA Kepler, divide a maioria dos exoplanetas conhecidos em seis grupos de acordo com a massa, mostrados na vertical, e três grupos por temperatura, mostrados na horizontal, totalizando 18 categorias. Exoplanetas na Zona Quente estão muito próximos de suas estrelas-mãe para possuírem água líquida. Aqueles na Zona Morna estão na distância correta para água líquida. A água só pode existir como gelo para aqueles na Zona Fria. Mercurianos (Mercurians) são corpos de pequena massa, similares a Mercúrio e a nossa Lua, que só são capazes de sustentar uma atmosfera na Zona Fria (ex. Titan). Sub-terrenos (Suterrans) são comparáveis a Marte, Terrenos (Terrans) a Terra, e Superterrenos (Superterrans) são até 10 vezes mais massivos que a Terra, uma categoria sem exemplos no Sistema Solar. Netunianos (Neptunians) são similares em massa a Netuno e Urano e Jupiterianos (Jovians) a Júpiter e Saturno, ou maiores. Até agora, apenas oito Terrenos e oito Superterrenos podem ser considerados potenciais candidatos a habitáveis dos mais de 1.600 exoplanetas representados nesta figura. Eles são identificados e ordenados em detalhes de acordo com várias avaliações do Catálogo de Exoplanetas Habitáveis, que na realidade, mostra o quão parecidos com a Terra são estes exoplanetas. Crédito: PHL


This story was originally published in English.


Related Stories

Astrobiology Roadmap Goal 1: Habitable planets

18 New Planets Discovered Orbiting Massive Stars
Planet Kepler 21b Confirmed by Earth Observations
Discovery of Three New Planets, Plus a Mystery Object
Astronomers Find New Planets in Old Data
How Exoplanets are Surprising Scientists
About Us
Contact Us
Links
Sitemap
Podcast Rss Feed
Daily News Story RSS Feed
Latest News Story RSS Feed
Learn more about RSS
Chief Editor & Executive Producer: Helen Matsos
Copyright © 2014, Astrobio.net