spacer
 
Advanced Search
Astrobiology Magazine Facebook  Astrobiology Magazine Twitter
  
Retrospections O Hubble Revela um Novo Tipo de Planeta
 
O Hubble Revela um Novo Tipo de Planeta
Publicação da imprensa do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics (Centro para Astrofísica Harvard-Smithsonian).
print PDF
New Planets
Posted:   02/22/12
Author:    Tradutor: Bruno Martini

Summary: Nosso Sistema Solar contém mundos rochosos, gigantes gasosos e gigantes de gelo. Planetas extrassolares vêm em uma variedade muito maior e novas observações identificaram ainda outro tipo planetário - um mundo de água com uma atmosfera densa e enevoada.


Planetary_buyer
O GJ 1214b mostrada nesta concepção artística, é uma super-Terra orbitando uma estrela anã vermelha a 40 anos-luz da Terra. Novas observações do Telescópio Espacial Hubble da NASA mostram que ele é um mundo aquoso envolto por uma atmosfera densa e enevoada. O GJ 1214b, portanto, representa um novo tipo de mundo, como nada visto no nosso Sistema Solar ou em qualquer outro sistema planetário conhecido atualmente. Crédito: David A. Aguilar (CfA)
Nosso Sistema Solar contém três tipos de planetas: mundos telúricos (terrestres), rochosos (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte); gigantes gasosos (Júpiter e Saturno) e gigantes de gelo (Urano e Netuno). Planetas orbitando estrelas distantes vêm em uma variedade ainda maior, incluindo mundos de lava e “Júpiteres quentes”.

Observações pelo Hubble Space Telescope (Telescópio Espacial Hubble) da NASA adicionaram um novo tipo de planeta à mistura. Analisando o mundo previamente descoberto GJ 1214b, o astrônomo Zachory Berta do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics (Centro para Astrofísica Harvard-Smithsonian) – o CfA – e seus colegas provaram que é um mundo de água envolto por uma atmosfera densa e enevoada.

GJ 1214b não é como qualquer outro planeta que conhecemos”, disse Berta. “Uma enorme fração de sua massa é feita de água”.

O GJ 1214b foi descoberto em 2009 pelo Projeto MEarth (em inglês se pronuncia como se fosse “mirth”) baseado em terra, que é liderado por David Charbonneau do CfA. Esta super-Terra tem aproximadamente 2,7 vezes o diâmetro da Terra e pesa quase 7 vezes mais. Ela orbita uma estrela anã vermelha a cada 38 horas a uma distância de uns 2 milhões de quilômetros, dando a ela uma estimativa de temperatura de 230 graus Celsius.

Em 2010, o cientista da CfA Jacob Bean e seus colegas reportaram que eles haviam medido a atmosfera de GJ 1214b, descobrindo que provavelmente a atmosfera era composta principalmente de água. No entanto, suas observações poderiam também ser explicadas pela presença de um nevoeiro em escala global na atmosfera de GJ 1214b.

Berta e seus co-autores usaram o instrumento WFC3 do Hubble para estudar GJ 1214b quando ele cruzou em frente a sua estrela hospedeira. Durante tal trânsito, a luz da estrela é filtrada através da atmosfera do planeta, dando pistas para a mistura de gases.

“Nós estamos usando o Hubble para medir a cor infravermelha do pôr do Sol neste mundo”, explica Berta.

A super-Terra GJ 1214b, que tem 6,5 vezes a massa da nossa Terra, orbita sua estrela a cada 38 horas a uma distância de apenas 2 milhões de quilômetros. Os astrônomos estimam que a temperatura do planeta seja de uns 200 graus Celsius. Apesar de quente como um forno, ainda é mais frio que qualquer outro planeta conhecido em trânsito porque ele orbita uma estrela muito opaca. Uma vez que o GJ 1214b cruza em frente à sua estrela, os astrônomos são capazes de medir seu raio, que é umas 2,7 vezes o da Terra. Isto faz do GJ 1214b um dos dois menores mundos em trânsito que os astrônomos descobriram até hoje.
Crédito: David A. Aguilar, CfA
Nevoeiros são mais transparentes para a luz infravermelha que para a luz visível, então as observações do Hubble ajudam a dizer a diferença entre uma atmosfera com vapor ou enevoada.

Eles descobriram que o espectro do GJ 1214b não tem traços característicos sobre uma ampla gama de comprimentos de onda, ou cores. O modelo atmosférico mais evidente com os dados do Hubble é de uma atmosfera densa de vapor d’água.

“As medições do Hubble realmente pendem a balança em favor de uma atmosfera enevoada”, disse Berta. Uma vez que a massa e tamanho do planeta são conhecidos, os astrônomos podem calcular a densidade, que é de uns 2 gramas por centímetro cúbico. A água tem uma densidade de 1 g/cm3, enquanto a densidade média da Terra é de 5,5 g/cm3. Isto sugere que o GJ 1214b tem muito mais água que a Terra e muito menos rocha. Como resultado, a estrutura interna do GJ 1214b seria bem diferente do nosso mundo.

“As altas temperaturas e pressões formariam materiais exóticos como ‘gelo quente’ ou água superfluida” – substâncias que são completamente alienígenas para nossa experiência do dia a dia”, contou Berta.

Os teóricos supõem que o GJ 1214b se formou bem longe de sua estrela, onde gelo de água era abundante e migrou para dentro do sistema cedo na história dele. No processo, ele teria passado através da zona habitável da estrela. Por quanto tempo ele se deteve lá é desconhecido.

O GJ 1214b está localizado na direção da constelação Ophiuchus e apenas 40 anos-luz da Terra.

Consequentemente é o principal candidato a estudo pelo James Webb Space Telescope (Telescópio Espacial James Webb) da próxima geração.

Um artigo reportando estes resultados foi aceito para publicação na The Astrophysical Journal e está disponível online: http://dx.doi.org/10.1088/0004-637X/747/1/35.

This story was originally published in English.


Related Stories

Astrobiology Roadmap Goal 1: Habitable planets

Hot but Habitable?
Multiple Planets around a Pair of Stars
A Far-Off Solar System Like Our Own
An Exoplanet Smaller Than Earth
About Us
Contact Us
Links
Sitemap
Podcast Rss Feed
Daily News Story RSS Feed
Latest News Story RSS Feed
Learn more about RSS
Chief Editor & Executive Producer: Helen Matsos
Copyright © 2014, Astrobio.net